Dia da Consciência Negra é dia de luta contra Bolsonaro racista

Movimento Sindical vai às ruas no sábado, 20 de novembro, em todo o Brasil, junto com movimentos negro e populares em defesa da igualdade racial, da vida, da democracia, contra o desemprego, a carestia e a fome


20 de novembro, Dia da Consciência Negra, marca a morte de um dos maiores lutadores contra a escravidão no Brasil, Zumbi dos Palmares, e passou a ser celebrada pelo Movimento Negro a partir da década de 1960 como uma forma de valorização da comunidade negra e da sua contribuição à história do país. A data é oficializada pela lei nº 12.519/2011 e marca a resistência do povo negro contra a escravidão e a luta contra o racismo no Brasil.

O trabalho de negros e negras escravizados está na raiz da acumulação capitalista e oligárquica brasileira. A abolição da escravatura, tardia e inacabada, faz com que o racismo seja uma característica marcante da estrutura de classes e da sociedade brasileira até os dias de hoje. A população negra é maioria entre os desempregados e também entre aqueles nos postos de trabalho mais precários e informais. A periferia dos grandes centros urbanos marcada pela moradia precária, pela ausência de infraestrutura social e pela carência de políticas públicas é majoritariamente negra.

É por isso que o descaso no combate à pandemia, o aumento da fome, do desemprego, a alta geral dos preços e o consequente caos econômico e social pelo qual passa o país impactam, primeiramente e com mais intensidade, à população negra e pobre.

A ação, a inércia e as posições do presidente da República e de seus aliados reacionários e conversadores reforçam e apoiam a violência e a hostilidade que discriminam, agridem e matam corpos pretos todos os dias, ao mesmo tempo em que negam e tornam invisíveis o caráter estrutural do racismo no Brasil.

Superar o racismo é uma exigência fundamental para a construção de uma sociedade verdadeiramente democrática e justa. Garantir o direito ao trabalho decente e protegido para a população negra é um dos caminhos para reparação de uma história de exclusão e desigualdade e garantia de futuro diferente. Dar fim ao governo criminoso e racista de Jair Bolsonaro é um requisito essencial para que o país possa reencontrar o rumo do desenvolvimento com igualdade e justiça social.

A classe trabalhadora brasileira é negra e, por isso, o movimento sindical irá às ruas em todo o Brasil junto com a população negra e com todas as pessoas comprometidas com a defesa da igualdade racial, da vida, da democracia, contra o desemprego, a carestia e a fome, neste sábado, 20 de novembro, Dia da Consciência Negra.

Brasil, 17 de novembro de 2021

 

#24J - FORA BOLSONARO!

WhatsApp Image 2021-07-14 at 19.01.34 (1).jpeg

 

Live das Centrais Sindicais

 

Nova Central Sindical mostra-se preocupada com diminuição dos direitos dos trabalhadores

DENÍLSON PESTANA DIZ QUE BASE DE REPRESENTATIVIDADE NO CONGRESSO ESTÁ ENFRAQUECIDA. EMPRESÁRIOS SÃO MAIORIA

O presidente da Nova Central Sin­dical dos Trabalha­dores do Paraná (NCST-PR), Denílson Pestana da Costa, esteve em visita a Quedas do Iguaçu nesta semana. Ele concedeu uma entrevista ex­clusiva ao Diário Correio do Povo do Paraná, falando de sua preocupação com alguns projetos de leis que tramitam no Congresso Nacional, que podem derrubar direitos con­solidados na Constituição Fe­deral, para os trabalhadores, no âmbito nacional.

Confira o que diz e pensa um dos homens fortes do sin­dicalismo paranaense.

 

Diário Correio do Povo do Paraná - O que te traz há Quedas do Iguaçu e região?

Denílson Pestana - Es­tamos acompanhando e fis­calizando o processo eleitoral que está ocorrendo no Sin­dicato de Trabalhadores do Setor Madeireiro e Movelei­ro do município (STIMMQI). Uma instituição importante para Nova Central, com forte representatividade. Das três unidades sindicais na cidade, duas são filiadas à federação. Estamos visitando algumas bases de apoio e fazendo no­vos amigos.

Correio do Povo - A ques­tão sindical é mais sofri­da nas cidades do interior, como avalia este cenário de representatividade dos tra­balhadores?

 

Pestana - Olha! Já esteve pior, mas felizmente hoje nós temos uma atuação forte da Fetraconspar, que tem uma comissão que atua nas nego­ciações dos pisos salarias de todas as categorias. A pauta de negociação para os traba­lhadores de Quedas do Igua­çu e da Cantuquiriguaçu é a mesma de todo o Estado, de forma unificada. Se não hou­vesse este trabalho integrado, certamente os salários dos trabalhadores seriam inferio­res nas cidades do interior.

 

Correio do Povo - O fato de não existir um piso sala­rial estadual para os servi­dores municipais, prejudica a categoria?

 

Pestana - Este fato nos preocupa muito, os sindicatos são cobrados por isso. Infe­lizmente o setor ainda carece de leis que garantam os seus direitos. O servidor público pode tudo, até fazer greve, mas não tem direito a uma negociação salarial de forma coletiva. Ficando a mercê da boa vontade dos gestores pú­blicos que estão no comando das administrações. 

Correio do Povo - Qual a posição da Nova Central a respeito do projeto da ter­ceirização dos serviços, que tramita no Congresso Na­cional?

Pestana - Este projeto de­verá afetar não só o servidor público, como todos os setores trabalhistas deste país. A PL 4330, de autoria do deputado Sandro Mabel PMDB-GO, diz que é para regulamentar a terceirização, mas na verdade ela amplia, abrindo possibili­dades de uma empresa demi­tir seu quadro de funcionário, terceirizando boa parte dos serviços. Os direitos trabalhis­tas de uma pessoa terceiriza­da não são os mesmos de um trabalhador com carteira re­gistrada. Uma delas é a remu­neração que é inferior. Se fos­se a votação hoje, certamente seria aprovado pelo fato que a maioria dos congressistas é de empresários e ruralistas.

Correio do Povo - É con­tra ou favor nesta questão do pré-sal?

Pestana - Nós somos to­talmente contra. O petróleo é uma fonte de energia e isso tem uma função estratégica para o país. Petróleo, energia elétrica e água nas mãos de terceiros é um perigo para o povo brasileiro, já que grandes potencias mundiais (grupos econômicos), podem passar a ter o pleno domínio e ditar os preços a serem praticados.

Correio do Povo - Você está sendo indicado para lutar por uma cadeira no Congresso Nacional, se sen­te preparado para este novo desafio?

Pestana - Estamos há 16 anos na luta sindical, atual­mente sou o presidente da Nova Central, do Sintracom de Londrina e secretário de finanças da Fetraconspar. São 20 anos na militância do Parti­do dos Trabalhadores (PT), até então não tinha me envolvido como candidato. Os dirigen­tes sindicais estão preocupa­dos com a atual composição do congresso, que é 91 parla­mentares, essa correlação de forças está prejudicando toda classe trabalhadora, na defesa dos direitos adquiridos e para a consolidação de novas con­quistas. Se não mudarmos a composição de representantes no congresso, certamente va­mos ter perdas irreparáveis ao trabalhador brasileiro.

Correio do Povo - Quais são os prejuízos disso?

Pestana - Nós temos mui­tas demandas para serem votadas, como das 40 horas semanais, a regulamentação que dá direito a negociação dos servidores públicos, o fim das demissões motivadas, o fim do fator previdenciário, a participação dos resulta­dos e lucros das empresas, os direitos das mulheres tra­balhadoras, essa questão das terceirizações, entre tantas outras leis que garantem e preservam os direitos dos tra­balhadores. Nós temos ainda 117 artigos da constituição federal que não foram regu­lamentados.

Correio do Povo - A im­prensa regional tem denun­ciado a demora nas perícias médicas pelo INSS. O que a Nova Central tem feito para mudar isso?

Pestana - Nós estamos atentos e preocupados, por não ser um problema só do interior, mas também na ca­pital. Fizemos uma audiência pública com técnicos do INSS e Ministério Público Federal, na busca de uma solução. Os médicos estão elitizados e precisamos urgentemente que governo federal faça no­vos concursos para contrata­ção de profissionais para este setor. Uma cobrança de ime­diato é que o instituto passe a pagar o benefício a partir da entrada da documentação. Com isso, o trabalhador não ficaria desamparado até a re­alização das pericias médicas. Os técnicos do órgão público passaram a adivinhar quan­to tempo o trabalhador vai precisar para recuperar e isso tem sido muito nocivo às pes­soas. O trabalhador necessita dessa renda para sobreviver, por ser de natureza alimentar para ele e sua família.

 

 O CONGRESSO NACIONAL POR REPRESENTAÇÃO

 

Empresarial

273

Educação

213

Ruralista

160

Sindical

91

Saúde

79

Comunicação

69

Evangélica

66

Feminina

55

Ambientalista

15

 

  “Enquanto a bancada empresarial é composta de 273, e a ruralista de 160, dos trabalhadores são somente 91 parlamentares. Estamos perdendo direitos adquiridos pela CLT que completa 70 anos este ano e pela Constituição Federal”, Denílson Pestana da Costa

Última atualização ( Qua, 06 de Novembro de 2013 13:50 )
 

STIA-Paranaguá e NCST/Paraná patrocinam 6ª Corrida do Trabalhador do Litoral

 

Captura de Tela 2012-05-14 às 15.17.19Em homenagem ao dia do trabalho, o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação de Paranaguá e Litoral (Stia) em conjunto com a NCST/Paraná patrocinaram a 6ª Corrida do Trabalhador do Litoral.

Além deste evento, os dirigentes estivera presentes na 6ª Semana Municipal de Segurança e Saúde no Trabalho da Cidade de Paranaguá (Sempat). A abertura da semana contou com presente do vice-prefeito da cidade e de outras autoridades parnanguaras, além de discurso do vice-presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores do Paraná, Adilson Carlos da Silva.

O secretário de Trabalhadores na Indústria da Alimentação, Sérgio Aparecido Marinho, também esteve presente aos dois eventos.

 

Última atualização ( Ter, 15 de Maio de 2012 09:02 )
 

IMG-20210715-WA0074.jpg

FILIE-SE

reducao-jornada-ncst2

carteira-assinada-ncst

Quem está online?

Nós temos 742 visitantes online

Acesso Restrito

Rede NCST Sindical

ncst-rede