NCST lança Campanha contra as Reformas Trabalhistas

b0a63264 acb8 4018 9798 fc34fab4b62f


Hoje, 23 de fevereiro, foi um dia de 
intensos debates sobre as Reformas do Governo. Questões sobre as propostas de mudanças Previdenciária, Trabalhista e Sindical foram colocadas na mesa de centenas de lideranças do Paraná, no auditório da Fetraconspar, em Curitiba. 

O encontro aberto pelo presidente regional da Nova Central, Denilson Pestana da Costa, contou com dirigentes de várias federações e sindicatos filiados, num dia de esclarecimentos, debates e articulação de um movimento que vai se estender por dez regiões representadas pelos colégios eleitorais dos parlamentares paranaenses. “Precisamos alertar nossos parlamentares”, advertiu o presidente da Wilson Pereira alerta para a participação e compromisso dos parlamentares paranaenses.


Duas palestras esclarecedoras foram realizadas pela manhã e tarde, com a presença da advogada Zilmara Alencar e do jornalista André Santos, considerados dois dos mais preparados especialistas sobre questões trabalhistas no Brasil. Eles trouxeram uma análise minuciosa sobre os projetos que estarão em debate em Brasília nas próximas semanas, tirando dúvidas e alertando para algumas “arapucas” armadas e que precisam ser neutralizadas durante a fase de discussão no parlamento.


Ao final do Seminário de hoje “Os trabalhadores e as reformas Previdenciária, Trabalhista e Sindical”, organizado pela Nova Central Sindical Paraná, em Curitiba, o presidente da representação, Denilson Pestana da Costa, anunciou uma ampla Campanha contra as Reformas Previdenciária, Trabalhista e Sindical do Governo Temer.


“Agora que nossas lideranças sindicais estão ainda mais informadas sobre o que nos aguarda no Congresso Nacional, podemos sair em nossas bases e conscientizar a população sobre os prejuízos que todos teremos com estas medidas apresentadas e que forço samente estão sendo jogadas para votação do Congresso Nacional”, destacou Pestana.


Diálogo e mobilização


O mote do movimento coordenado pela Central Sindical do Paraná, será de “diálogo e mobilização”. E o diálogo se dará com os parlamentares diretamente nas regiões onde receberam o maior número de votos em suas eleições. “Já fizemos um criterioso levantamento junto a Justiça Eleitoral e estamos de posse das votações de nossos representantes. Agora será a hora de levarmos nossa preocupação aos eleitores, para que eles sejam nossos intermediários junto aos políticos que elegeram”, frisou Denilson.


São cerca de dez cidades onde a Nova Central vai concentrar seus esforços para esclarecer a população através de campanhas realizadas diretamente em iniciativas de grande alcance popular, como festas, jogos, feiras e nas fábricas e comércio. “Vamos massificar as informações sobre os perigos que corremos através de panfletos, informativos, programas radiofônicos e comerciais em geral. Já estamos contratando outdoors e queremos que cada parlamentar participe de entrevistas mostrando sua preocupação com o eleitorado que garantiu sua presença no Congresso Nacional”. É a forma encontrada para que o povo fique sabendo em detalhes o que cada item dos projetos de reforma significa na influência da vida do trabalhador daqui para a frente.


“Queremos contar com os aposentados, que são interessados diretos nestes esclarecimentos para que eles também sirvam de ponto de influência. Criaremos páginas na Internet e no Facebook e outros dispositivos tecnológicos que hoje representam um grande alcance para a comunidade. E assim vamos trabalhar de mangas arregaçadas para que nossas conquistas históricas não sejam comprometidas e que o governo se convença de que há descontentamento popular.”


Personagens


No bojo da campanha a Nova Central está vendo a possibilidade de utilizar “super-heróis” das histórias em quadrinhos, do cinema e da televisão, para chamar a atenção. “Estudos já estão adiantados, por exemplo para que tenhamos de apoio na campanha personagens como a mulher maravilha, exemplificando que ela com todo o seu potencial também não aguentaria trabalhar depois dos 65 anos. Estes e outros farão parte da nossa ideia para levar ao público o que ele precisa saber.”

 

filie se

Acesso Restrito

Rede NCST Sindical

ncst-rede