Venezuela: mulheres impulsionam a construção da revolução bolivariana

As mulheres e os jovens têm ampla participação política na Revolução Bolivariana
As mulheres e os jovens têm ampla participação política na Revolução Bolivariana

                      

Se fosse uma pessoa, a revolução bolivariana da Venezuela seria jovem, mestiça, da classe trabalhadora e vestiria saias. Essas são as características predominantes da base social que compõe os movimentos populares da esquerda venezuelana. 

Por Fania Rodrigues

                           

Nas assembleias populares, nas organizações de bairros, nas comunas e nos coletivos revolucionários, lá estão elas. As mulheres são os alicerces que sustentam o processo de transformações pelo qual passa o país.

Cinco anos atrás não era assim. Embora sempre tenha havido participação feminina nos espaços de organização popular, percebia-se que os homens estavam em maioria e assumiam os postos de liderança. Mas o que aconteceu nos últimos anos que fez com que esse quadro mudasse?

O Brasil de Fato conversou com lideranças dos principais movimentos populares do país para entender quais foram as razões que levaram às mulheres a assumir o protagonismo destas organizações na República Bolivariana da Venezuela.

"Desde muito pequena, a mulher pobre passa por um processo de exclusão. Isso vai desde a questão trabalhista até as relações familiares, sobretudo no caso das mães abandonadas por seus companheiros. Portanto, a construção de um movimento e da organização comunitária é vista como uma nova oportunidade", afirma Iraida Moroimo, líder do Movimento de Pobladores (o equivalente a moradores, em português), a maior movimento urbano do país.

Essa organização de luta pela moradia é composta por coletivos, como o Comitê de Terras Urbanas, o Movimento de Inquilinos, o Movimento de Trabalhadores Residenciais, o Movimento de Ocupantes e o Acampamento de Pioneiros. Na última reunião realizada com porta-vozes desses movimentos, na qual a reportagem do Brasil de Fato teve acesso, a participação feminina era visível: cerca de 75% eram mulheres.

Juntos, esses coletivos construíram 20 conjuntos habitacionais com recursos do Estado venezuelano e administrados por meio da autogestão. Nos últimos quatro anos, foram entregues 600 apartamentos. Outros 554 estão em construção, e 850 mil foram contratados, mas dependem de liberação de recursos para começar.

Dentro desses conjuntos habitacionais, quem lidera os processos de organização popular são as mulheres. "Nossa defesa não é apenas pelo direito à moradia. Defendemos a construção de comunidades socialistas, a solidariedade entre nós e a distribuição coletiva das tarefas da comunidade", destaca Iraida Moroimo, cuja história se confunde com a história da Venezuela – descendente de indígenas, de pai comunista e irmão revolucionário.

"Venho de uma família comunista. Meu irmão morreu em uma tentativa de tomar o poder em novembro de 1992. Então, sinto que meu papel é seguir em frente, lutando", conta. Ela remonta a história de quando um grupo liderado pelo então tenente-coronel do Exército Hugo Chávez tentou tomar o poder em fevereiro de 1992. O plano fracassou e Chávez foi preso. Ainda assim, em novembro do mesmo ano, um grupo de rebeldes realizou uma segunda tentativa e também não alcançou o objetivo.

Hoje, na liderança de um dos mais importantes movimentos populares da Venezuela, essa indígena comunista tem a missão de organizar o povo e levar esperança para aquelas pessoas que não tinham direito à cidade, a uma casa digna e a uma vida menos sacrificada. "Antes de tudo, precisamos acreditar que é possível. E Chávez nos fez acreditar. Hoje, estamos construindo nossas próprias casas", disse.

No bairro Antímano, na zona oeste da capital Caracas, o Acampamento de Pioneiros está terminando a construção de um condomínio com mais de cem apartamentos. São quatro torres com uma média de 35 residências. Uma delas foi levantada por três mulheres. "Aqui somos nós que assentamos cada tijolo. Um desses edifícios teve sua estrutura principal levantada por três mulheres e um mestre de obras. O primeiro muro, de 80 metros de comprimento e 4 metros de altura, nós construímos em duas semanas. Quanto terminamos, nossas mãos estavam inchadas, enrolamos faixas e continuamos trabalhando", relembra a assistente social Yelitza Bernal. Duas das torres já foram entregues e outras duas devem ficar prontas até o final deste ano, segundo o movimento.

"Nesse conjunto habitacional, a maioria das chefes de família são mulheres, por isso as lideranças comunitárias também são conduzidas por nós. Mas aqui dividimos algumas coisas com os homens. A coordenação da organização comunitária está distribuída em cinco diretorias, duas conduzidas por homens e três por mulheres", explica a moradora.

                           

Políticas sociais

Mãe de três filhos, a moradora do Acampamento de Pioneiros Yelitza Bernal é divorciada e cuida sozinha das crianças. Em 2011, sua casa foi afetada pelo deslizamento de uma encosta no estado de Vargas – no Norte do país e vizinho à capital venezuelana –, que deixou milhares de famílias desabrigadas. Parte delas foram recebidas em Caracas pelo Movimento de Pobladores. Muitas ficaram acampadas por anos nesse terreno onde hoje os edifícios de apartamentos populares estão sendo construídos.

As condições sociais das mulheres, que sempre se mantiveram na base da pirâmide social, começou a mudar na Venezuela a partir das políticas impulsionadas pelos governos do ex-presidente Hugo Chávez e que continuaram com o atual, Nicolás Maduro. "Nos últimos dois anos, os investimentos em políticas sociais aumentaram de 62% para 72% do orçamento público", afirmou Maduro, em declaração recente.

A grande maioria da titularidade desses benefícios é destinada às mulheres. Um exemplo disso são, justamente, as casas populares. Em quatro anos, foram construídas pelo governo cerca de 1,7 milhão de residências destinadas a famílias de baixa renda, segundo dados oficiais.

"No caso das moradias construídas pelo movimento, as pessoas não têm o título da casa, elas recebem um documento que dão o direito de uso do imóvel, e esse documento é entregue à mãe da família. Isso em 95% dos casos", explica Iraida Moroimo.

Esse também é o caso da cesta básica fornecida a 4 milhões de lares venezuelanos. Os alimentos distribuídos pelo Estado, de forma subsidiada, chegam por meio de cadastros feitos pelas comunas – organização comunitária que reúne moradores de três a quatro bairros vizinhos e que é a base da organização social no país. Como os titulares são as mulheres, elas acabam tomando frente nas reuniões comunais e também em outros espaços organizativas criados a partir das comunas.

Além disso, no ano passado, o governo venezuelano anunciou a criação de um fundo de investimentos destinado a fornecer crédito para pequenas empreendedoras e outros projetos de agricultura familiar conduzidos por mulheres.

"Essas políticas destinadas às mulheres começou com Chávez. Ele se declarava feminista. Inclusive, a composição dos ministérios dos seus últimos governos tinha grande participação de mulheres", recorda Iraida. 

                     

No campo e na cidade

No maior movimento popular da Venezuela, a Corrente Revolucionária Bolívar e Zamora, de origem camponesa, os espaços de liderança, antes ocupados majoritariamente por homens, agora são exercidos também por mulheres. A atual correlação de forças, segundo a coordenadora de Relações Internacionais do movimentos, Zuleima Vergel, é a mais equilibrada desde o surgimento do movimento, há 15 anos.

"Nossa organização nasce no campo, em uma região historicamente conservadora e machista, na região central do país. Vivemos em uma sociedade atravessada pelo machismo. Ao longo dos anos, fomos trabalhando esse tema e, há dois anos, demos saltos importantes, com maior participação", avalia a dirigente.

Atualmente, a Corrente Revolucionária Bolívar e Zamora está conformada por mais de 15 mil militantes, com presença em 18 dos 23 estados venezuelanos, no campo e na cidade. O trabalho de base consiste na organização popular, na defesa da agricultura familiar e das terras destinadas à reforma agrária, assim como no fortalecimento dos conselhos comunais e na defesa do território venezuelano, principalmente em zonas próximas à fronteira com a Colômbia.

Zuleima explica que a massiva participação das mulheres na base dos movimentos nos últimos anos cria uma pressão para chegar aos espaços de direção. "Estamos lutando pela participação igualitária nos postos de direção e de tomada de decisão da nossa organização. Queremos chegar a 50%, mas, por enquanto, as mulheres ocupam 40% dos espaços de direção".

Não foi a participação dos homens que diminuiu, mas a presença feminina que aumentou, como aponta Zuleima: "A quantidade de homens no movimento não diminuiu, continua a mesma. As mulheres começaram a participar mais. E o homens reconhecem esse avanço".

Tanto é assim que nas reuniões das comunas – que hoje conformam a base organizativa dos movimentos populares, pois todas os coletivos se organizam a partir delas – a maior parte das porta-vozes "comuneiras" é conformada por mulheres. "Quando vamos a uma assembleia de uma comuna notamos que a maioria é mulher. Nas reuniões que reúnem os representante de cada comuna, as mulheres estão em maior quantidade. E as mulheres também exercem mais o direito à palavra nas assembleias e reuniões", relata Zuleima.

No entanto, muitos desafios ainda precisam ser superados. No alto escalão do Estado venezuelano, a participação feminina ainda é pequena. Também são poucas as mulheres que conquistaram um lugar de destaque na política nacional. Mas entre essas poucas, está a atual presidenta da Assembleia Nacional Constituinte, Delcy Rodriguéz, hoje o segundo cargo mais importante do país, depois da Presidência da República. 

                                      

Fonte: Vermelho, 09 de novembro de 2017

 

filie se

Acesso Restrito

Rede NCST Sindical

ncst-rede