Paulo Guedes põe relator da nova lei trabalhista para tocar reforma da Previdência

O futuro Ministro da Economia, Paulo Guedes, anuncioou nesta terça-feira (11) o deputado federal Rogério Marinho (PSDB-RN) para o cargo de Secretário Especial de Previdência. O assunto é um dos mais delicados da pauta econômica, com status de prioridade, e aliados do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) têm dado declarações divergentes sobre como a equipe econômica cuidará do assunto.

Rogério Marinho afirmou, em nota (íntegra abaixo), que vai trabalhar para aprovar uma reforma ainda no primeiro semestre de 2019. O congressista terá nesta quarta (11) à tarde, em Brasília, a primeira reunião com o gabinete de Guedes. Na nota, Marinho afirma que irá "aprofundar o trabalho já feito por uma competente equipe de técnicos que estão debruçados sobre o tema", e afirma que quer "trabalhar contra os privilégios".

Bancada do PSL quer participar de proposta da Reforma da Previdência

O tucano, que está encerrando seu segundo mandato na Câmara, fez carreira política no Rio Grande do Norte. Foi secretário de Planejamento da prefeitura de Natal, vereador e presidente da Câmara do município e secretário estadual de Desenvolvimento Econômico.

O tucano, que é economista e professor, relatou a reforma trabalhista na Câmara no ano passado.

Também foi anunciado nesta terça o Secretário Adjunto de Previdência. Será Leandro Rolim, um consultor de orçamento da Câmara dos Deputados.

Segundo a assessoria de Paulo Guedes, Rolim tem mestrado na Universidade de Alcalá, na Espanha, especialização em Administração na Universidade de Brasília (UnB) e em Políticas Públicas e Gestão Governamental (ENAP).

Também foi secretário de Políticas de Previdência Social do Ministério da Previdência Social (extinto em 2015) e presidente do Conselho Nacional dos Dirigentes de Regimes Próprios de Previdência Social (Conaprev).

Leia a nota de Rogério Marinho:

Aceitei convite feito pelo Ministro Paulo Guedes para participar do Governo Bolsonaro e ajudar no desafio da Previdência Social.

Vamos agora aprofundar o trabalho já feito por uma competente equipe de técnicos que estão debruçados sobre o tema há algum tempo.

Chegamos para trabalhar em equipe e aprovar uma reforma ainda no primeiro semestre de 2019, capaz de contribuir para o equilíbrio fiscal do país, um projeto que permita ao Brasil voltar a crescer e se desenvolver, conforme as propostas de campanha do presidente Jair Bolsonaro.

Vamos trabalhar sempre a favor do povo brasileiro e contra os privilégios.

Fonte: Congresso em Foco

 

Acesso Restrito

Rede NCST Sindical

ncst-rede