A greve na Amazon, nos Estados Unidos

Nesta segunda-feira (15) os trabalhadores da Amazon em Shakopee (Minnesota, EUA) lançaram uma greve de seis horas, no Prime Day, o maior evento anual de compras da empresa. Se forem bem sucedidos, eles podem inflamar ações semelhantes em todo os EUA - e fazer Jeff Bezos, o chefão da Amazon, realmente começar a se preocupar com o poder dos trabalhadores.

Por Joe Allen (*) 

Há uma década, os gigantes de tecnologia dos EUA - Apple, Amazon, Google, Facebook - são vistos como símbolos do progresso. Agora, as empresas - especialmente a Amazon - são vistas como símbolos da desigualdade, tirania e exploração.

Jeff Bezos, fundador e CEO da Amazon, não é apenas o homem mais rico do mundo, com um patrimônio estimado em 110 bilhões de dólares. Entrementes, os trabalhadores dos armazéns de Bezos labutam em condições horrendas recebendo salários de pobreza. Em março, a o jornal "Daily Beast" relatou que "entre outubro de 2013 e outubro de 2018, trabalhadores de emergência foram convocados para armazéns da Amazon pelo menos 189 vezes, por tentativas de suicídio e outros episódios de saúde mental." - e este não é um trecho para comparar a riqueza de Bezos com a dos barões ladrões da época dourada, como John D. Rockefeller.

Felizmente, depois de anos de elogios - eles estavam salvando o mundo, lembra-se? - a empresa de Bezos está finalmente sendo vistra como ela é. A cobertura da imprensa se afastou em grande parte da adulação de uma década atrás. E há um coro crescente de trabalhadores, ambientalistas e líderes comunitários que tratam a empresa como um bandido que rouba seu futuro. 

A luta mais significativa contra a Amazon tem ocorrido no subúrbio de Minneapolis, Shakopee, onde os trabalhadores somalis pararam em dezembro passado, com apoio da deputada federal Ilhan Omar; e novamente em março, em protesto contra as más condições de trabalho. "O ritmo do trabalho é desumano", disse Mohamed Hassan, um dos grevistas. "Todos se sentem continuamente ameaçados."

A Amazon foi forçada a negociar com os trabalhadores, que são principalmente muçulmanos, sobre o direito de orar durante o horário de trabalho, e a empresa fez algumas concessões. Tentou desesperadamente retratar as negociações como "engajamento da Comunidade", em vez de negociações sindicais, temendo que o exemplo se espalhe para além de Shakopee. Os trabalhadores acusam a Amazon de ter feito retalições contra líderes da greve.

Mas, apesar dos esforços da mega-empresa, as ações dos trabalhadores da somalis mostram que são apenas o começo. Nesta segunda-feira (15), no primeiro dia do "Prime Day" da Amazon - a 40-80-Hour Bonanza, que superou a Black Friday como o maior evento de compras da empresa - 100 trabalhadores estão planejando uma parada de seis horas para exigir melhores condições de trabalho e empregos mais seguros.

Guled Mohamad, um dos organizadores da greve, disse ao jornal "Minneapolis Star Tribune" "precisamos de mudança. Precisamos de algo." Mohamad trabalhou no armazém Shakopee por um ano e oito meses, e falou sobre os baixos salários, o ritmo de trabalho cansativo e a pressão da gerência para cumprir cotas.

Meg Brady, uma trabalhadora de armazém da Amazon atualmente em incapacidade temporária devido a uma fratura no pé relacionada ao trabalho, disse em uma entrevista com um canal de notícias local, que vai se juntar ao piquete, apesar da ameaça de demissão. "É sempre um risco quando você toma este tipo de ação", disse. Para Brady, o ritmo de trabalho é cansativo e perigoso, com uma alta taxa de rotatividade. Ela começou a trabalhar na Amazon um ano e sete meses atrás, com 70 pessoas, das quais restam apenas cinco. A empresa espera que ela escolha e embale uma incompreensível quantidade de 600 itens por hora, que provoca lesões por estresse repetitivo.

O armazém em Shakopee tem 1.500 empregados, quase um terço dos quais são africanos do leste. Tem sido crucial para a organização o centro Awood, cujo slogan é "construir o poder operário do leste africano" e que se formou através de uma parceria entre a sessão de Minnesota do conselho de relações americano-islâmica e o Service Employees International Union Local 26 (em tradução livre, Sindicato dos Empregados Estrangeiros em Serviços).

Abdi Muse, diretor executivo do Awood Center, disse ao "Star Tribune": "Como a Amazon continua a acelerar o trabalho e exigir mais dos trabalhadores do armazém, é difícil para todos. As pessoas estão se machucando ou desistindo porque tem medo... A maior preocupação é sobre a taxa de produção. [Eles] têm que produzir a uma taxa por hora que é muito intensa. Eles têm que trabalhar mais rápido e mais rápido. E se vão [para tomar] uma ruptura, sua história de produção vai para baixo".

A indústria de logística nos EUA em grande parte não aceita a ação sindical. Fundada como uma livraria on-line em 1994 em Seattle, a Amazon cresceu em todas as direções. Não só ampliou a loja on-line, mas produz filmes e uma variedade de produtos culturais para o seu serviço de streaming Prime, que ultrapassou 100 milhões assinantes nos Estados Unidos.

Amazon se tornou um dos maiores empregadores privados no mundo, com de cerca de 600.000 funcionários, e é um dos maiores empregadores que não aceita a ação sindical nos EUA. Como Amazon ficou tão grande em tão pouco tempo?

A resposta curta é que Jeff Bezos copiou o modelo da Walmart, e fez ajustes nele. Além de ser um grande armazém, faz entregas a domicílio. 

Ao longo da última década, a Amazon cresceu em uma velocidade vertiginosa, construindo uma rede de centros de distribuição regionais e locais ("centros de atendimento"), junto com uma vasta rede de caminhões e aérea ("Prime Air") e uma enorme força de trabalho para entrega a domicílio. A Amazon ultrapassou a Walmart transformando-se de varejista em uma empresa de entrega. Este é seu segredo. 

Os trabalhadores da Amazon se preparam agora para lançar sua terceira ação em oito meses. "Queremos aproveitar a oportunidade para falar sobre o que é preciso para fazer esse trabalho acontecer e colocar pressão sobre a Amazon para nos proteger e ter empregos seguros e confiáveis", disse William Stolz, trabalhador da Amazon e um dos organizadores da greve. A gerência superior está preocupada. Se os trabalhadores de Shakopee tiverem sucesso, suas ações poderiam inflamar outros em todo os EUA - reverberando como a onda de greve do professores do ano passado. 

* Joe Allen é escritor e colaborador de Jacobin.

Fonte: Jacobin
Tradução e seleção dos trechos principais por José Carlos Ruy

 

Acesso Restrito

Rede NCST Sindical

ncst-rede