Déficit habitacional do Brasil cresceu e chegou a 5,876 milhões de moradias em 2019, diz estudo

E-mail Imprimir PDF

Déficit engloba dados de domicílios precários, em coabitação e com elevado custo de aluguel. Indicador tinha caído em 2018, mas levantamento mostrou alta nos dados de 2019.

Por Laís Lis, G1 - Brasília

O Brasil registrou em 2019 um déficit habitacional de 5,876 milhões de moradias, apontam dados apresentados nesta quinta-feira (4) pela Fundação João Pinheiro. O indicador inclui domicílios precários, em coabitação e domicílios com elevado custo de aluguel.

Segundo a pesquisa, essas quase 6 milhões de moradias representam 8% dos domicílios do país. O alto valor do aluguel urbano responde por mais de metade do déficit habitacional total – um total de 3.035.739 de moradias.

O índice chegou a cair entre 2017 e 2018, mas voltou a subir em 2019. Confira abaixo os dados dos últimos quatro anos de levantamento

 

2016: déficit de 5.657.249 domicílios

2017: 5.970.663 (+5,5%)

2018: 5.870.041 (-1,6%)

2019: 5.876.699 (+0,11%)

O levantamento divulgado nesta quinta divide os 5,8 milhões de domicílios faltantes nas seguintes categorias:

 

Habitação precária: 1.482.585

Coabitação: 1.358.374

Ônus excessivo com aluguel urbano: 3.035.739

Os estados com maiores déficits habitacionais, com relação ao número total de domicílios, estão nas regiões Norte e Nordeste do país: Amapá (17,8%), Roraima (15,2%), Maranhão (15,25%), Amazonas (14,82%) e Pará (13,55%).

De acordo com a pesquisa, esse elevado déficit está relacionado, principalmente, a moradias precárias.

Já o menor déficit habitacional do país é o do Rio Grande do Sul, com 5,06%.

Os dados calculados pela Fundação João Pinheiro do déficit são adotados pelo governo federal desde 1995.

 

Custo do aluguel

Segundo o coordenador da pesquisa, Frederico Poley Martins Ferreira, um dos destaques do levantamento foi o impacto do alto custo dos aluguéis urbanos. Essa categoria do déficit passou de 2,814 milhões em 2016 para 3,035 milhões em 2019, respondendo por 52% do total do indicador.

Entram nessa conta as moradias cujo custo de aluguel responde por mais de 30% da renda familiar.

Ferreira destaca que muitas dessas habitações são alugadas de modo informal. Por isso, os moradores não têm acesso ao Judiciário ou a alguma outra forma de controlar o custo.

 

Fonte: G1

 

Acesso Restrito

Rede NCST Sindical

ncst-rede