Chega de mortes, acidentes e doenças do trabalho

E-mail Imprimir PDF

Um adolescente de apenas 14 anos morreu em uma serraria de sua família em Melgaço, no Marajó (PA). Este fato, ocorrido no último dia 16 de abril, poderia ter sido evitado se a máquina tivesse proteção e se o jovem estivesse em outra atividade e não no trabalho infantil. Tragédias como esta, infelizmente, são ainda muito comuns no Brasil repleto de desigualdades e injustiças sociais.

Chiquinho Pereira*

chiquinho pereira padeiros spDestacamos então a importância do 28 de Abril, Dia Mundial em Memória das Vítimas em Acidentes e Doenças do Trabalho, adotado em 2003 pela OIT (Organização Internacional do Trabalho). Uma data importante inclusive para o setor em que atuamos: o das padarias, confeitarias e fábricas de panificação e outros produtos.

A padaria, por exemplo, parece realmente um ambiente extremamente familiar, bonito e gostoso de se ver. Mas ali dentro, onde são feitos produtos muito saborosos, acontecem também acidentes graves que a sociedade nem imagina que pudessem ocorrer.

Por isto, iniciamos já na segunda metade da década de 1970 incessante luta para que a questão da saúde e segurança nos locais de trabalho fosse observada de forma real e responsável pelas autoridades.

E conquistamos a NR-12, norma regulamentadora, que mesmo sendo referência para a saúde e segurança nos locais de trabalho, tentaram recentemente e estupidamente derrubar.

Vale destacar também que o Sindicato dos Padeiros de São Paulo, ao priorizar esta questão, conquistou em 1996 uma Convenção Coletiva que obriga as empresas do setor de panificação a usar um kit de segurança do cilindro de massa para a não ocorrência de acidentes.

Peço, enfim, a todos os trabalhadores e trabalhadoras que redobrem a atenção em relação ao que acontece nos locais de trabalho. Trabalhar é fundamental para se viver! Mas já se trabalha por salários e benefícios muito pequenos, em condições ruins e desconfortáveis de trabalho. Não é possível que, além de tudo isto, tenhamos que perder dedos, mãos e braços, a dignidade, a saúde e até a vida.

Vamos continuar lutando contra a pandemia da Covid-19 (exigindo vacinas para todos, auxílio emergencial de R$ 600 e continuidade das campanhas de prevenção), defendendo as Cipa (comissões Internas de Prevenção de Acidentes) e protegendo a classe trabalhadora contra os acidentes e as doenças de trabalho, que são inadmissíveis!

Salve o 28 de Abril! Viva o 1º de Maio, Dia Internacional do Trabalhador!

(*) Presidente do Sindicato dos Padeiros de São Paulo e da Febrapan (Federação Brasileira dos Trabalhadores nas Indústrias de Panificação, Confeitaria e Padarias) e secretário nacional de Organização, Formação e Políticas Sindicais da UGT.

 

Fonte: DIAP

 

 

Acesso Restrito

Rede NCST Sindical

ncst-rede