Ricardo Salles é alvo de busca e apreensão da Polícia Federal

E-mail Imprimir PDF

Ministro do Meio Ambiente também teve seu sigilo bancário quebrado; presidente do Ibama foi afastado do cargo


Por Redação RBA

Marcos Corrêa/PR


A ação contra Salles e agentes públicos tem como objetivo apurar suspeitas de crimes de corrupção, advocacia administrativa, prevaricação e facilitação de contrabando


São Paulo – O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e prédios da pasta foram alvos de busca e apreensão da Polícia Federal, na manhã desta quarta-feira (19). Ao todo, foram cumpridos 35 mandados de busca no Distrito Federal, São Paulo e Pará, todos determinados pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

A ação tem como objetivo apurar suspeitas de crimes de corrupção, advocacia administrativa, prevaricação e facilitação de contrabando. Segundo a Polícia Federal, os casos foram praticados por agentes públicos e empresários do ramo madeireiro.​

Na decisão, Alexandre de Moraes determinou ainda a suspensão imediata da aplicação de um despacho emitido em fevereiro de 2020, que permitiu a exportação de produtos florestais sem a necessidade de emissão de autorizações de exportação.

 

Presidente do Ibama afastado

O presidente do Ibama, Eduardo Bim, é um dos dez agentes públicos afastados de seus cargos por ordem do Supremo Tribunal Federal, na operação Akuanduba. Ele também foi alvo de busca e apreensão, junto ao ministro Ricardo Salles.

A Polícia Federal investiga o despacho do Ibama que permitiu a exportação de produtos florestais sem a necessidade de emissão de autorizações. A medida teria sido elaborada a pedido de empresas com cargas apreendidas no exterior e resultou na regularização, segundo a PF, de cerca de 8 mil cargas de madeira ilegal.

A ordem de Moraes também autorizou a quebra dos sigilos bancário e fiscal do ministro Ricardo Salles. As investigações iniciaram em janeiro a partir de informações “obtidas de autoridades estrangeiras” que noticiavam um “possível desvio de conduta de servidores públicos brasileiros no processo de exportação de madeira”, segundo a PF.

Reportagem publicada em abril, pela Agência Pública, mostrava que após a apreensão maior apreensão de madeira extraída ilegalmente da Amazônia, fazendeiros queriam ajuda do ministro para interceder na condução de operação da Polícia Federal que os deixava “indignados”.

 

Acesso Restrito

Rede NCST Sindical

ncst-rede