Reunião da Coordenação do Fórum Estadual de Defesa da Liberdade Sindical

A imagem pode conter: 4 pessoas, incluindo Sandro Silva, pessoas sentadas, sala de estar e área interna

O Presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores do Estado do Paraná, Denílson Pestana da Costa, participa na tarde desta quarta-feira (4), junto com os demais representantes das Centrais Sindicais no Estado e o Procurador do Trabalho Alberto Emiliano de Oliveira Neto, na Sede do Ministério Público do Trabalho em Curitiba, de Reunião da Coordenação do Fórum Estadual em Defesa da Liberdade Sindical.

A ocasião trata-se da definição de datas e organização das audiências regionais a serem realizadas em Campo Mourão e Umuarama, bem como, definições sobre a atividade em comemoração aos 2 anos do Fórum, entre outros assuntos.

 

Salário mínimo regional paranaense vai a R$ 1.383,80 e segue como o maior do país

A imagem pode conter: 1 pessoa, óculos e close-up

CONFIRA OS NOVOS VALORES DO MÍNIMO REGIONAL PARANAENSE:

CATEGORIA 1
R$ 1.383,80

CATEGORIA 2
R$ 1.436,60

CATEGORIA 3
R$ 1.487,20

CATEGORIA 4
R$ 1.599,40

Os trabalhadores do Paraná começam 2020 com uma excelente notícia. O reajuste do salário mínimo regional do estado será de 5,86% este ano, 1,75 ponto percentual acima do reajuste nacional, elevando o piso para R$ 1.383,80 na categoria 1 (o maior do país), podendo chegar a R$ 1.599,40 de acordo com a categoria. O percentual maior que o índice nacional foi aprovado nesta segunda-feira em votação no Conselho Estadual do Trabalho.

O mínimo regional, que já entra na folha de janeiro, é uma referência para a negociação das categorias sindicalizadas e uma garantia para as categorias que não têm sindicato..

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sentadas, barba, mesa e área interna

Na categoria dos trabalhadores agropecuários, florestais e da pesca, o piso sobe para R$ 1.383,80. Para o segundo grupo, no setor de serviços administrativos, serviços gerais, de reparação e manutenção e vendedores do comércio em lojas e mercados, o salário aumenta para R$ 1.436,60. Esta categoria engloba também a classe de trabalhadores domésticos. Já no terceiro grupo, dos empregados na produção de bens e serviços industriais, o piso vai para R$ 1.487,20. Para o último grupo, na categoria de técnicos de nível médio, o piso passa a ser R$ 1.599,40.

Antecipação - Pela primeira vez na história, em 2020 o reajuste do mínimo regional do Paraná vale desde o primeiro dia do ano – ou seja, o novo valor deverá ser pago já na folha salarial de janeiro. Também pela primeira vez, o percentual de aumento ficou acima do reajuste do salário mínimo federal.

Historicamente, de acordo com o que determina a lei 18766/2016, o piso salarial paranaense é reajustado pelo mesmo percentual aplicado para o reajuste do Salário Mínimo Nacional, “baseado na variação do INPC do ano anterior, com aplicação adicional, a título de ganho real, da variação real do PIB nacional observada dois anos antes”.

Como, porém, o governo federal mudou este ano a política de cálculo e decidiu reajustar o salário mínimo apenas pela inflação – ou seja, sem aumento real –, a definição sobre o percentual paranaense foi objeto de votação no Conselho Estadual do Trabalho – órgão conselho tripartite, que tem a participação de representantes do poder público, de empregados e empregadores.

Prevaleceu a proposta que mantém a somatória do PIB ao INPC para compor o valor final. Assim, o ganho real dos trabalhadores paranaenses este ano chega a 1.38 ponto percentual.

Histórico - Desde sua criação em 2006, o salário mínimo regional do Paraná, em suas categorias ocupacionais, sempre foi estabelecido em patamares superiores aos do salário mínimo nacional, atingindo uma diferença de 33% em 2020.

Ao mesmo tempo, essa política permitiu ao trabalhador paranaense, pertencente aos grupos previstos, a possibilidade de alcançar pisos salariais que figuram entre os mais elevados no país, quando consideradas as unidades de federação que mantêm uma política de salário mínimo regionalizada – como Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

_____

 

Confira a evolução do piso salarial paranaense, ano a ano:

2006 R$ 427,00 a R$ 437,80
2007 R$ 462,00 a R$ 475,20
2008 R$ 527,00 a R$ 547,80
2009 R$ 605,52 a R$ 629,65
2010 R$ 663,00 a R$ 765,00
2011 R$ 708,14 a R$ 817,78
2012 R$ 783,20 a R$ 904,20
2013 R$ 882,59 a R$ 1.018,94
2014 R$ 948,20 a R$ 1.095,60
2015 R$1.032,02 a R$ 1.192,45
2016 R$ 1.148,40 a R$ 1.326,60
2017 R$ 1.223,20 a R$ 1.414,60
2018 R$ 1.247,40 a R$ 1.4410
2019 R$ 1.306,80 a R$ 1.509,20
2020 R$ 1.383,80 a R$ 1.599,40

 

Centrais Sindicais tem audiência na Secretaria do Trabalho

A imagem pode conter: 6 pessoas, incluindo Marcio Kieller, pessoas sentadas

Preocupados com os desdobramentos da discussão do Piso Mínimo Regional, representantes das Centrais Sindicais estiveram nesta quarta-feira (08), reunidos com o Secretário da Justiça, Família e Trabalho do Governo do Paraná, Ney Leprevost, para discutir pontos da negociação que terá início na próxima reunião do Conselho Estadual do Trabalho - CERT que ocorrerá no dia 13/01/2020.


- Márcio Kieller - Central Única dos trabalhadores do Paraná - CUT/PR

- Nelsão - Força Sindical/PR

- Denilson Pestana da Costa - Nova Central Sindical dos Trabalhadores- NCST/PR

- Marcelo - Central dos Sindicatos Brasileiros - CSB/PR

- Benoliel - Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil - CTB/PR

- Paulo Rossi - pela União Geral dos Trabalhadores - UGT/PR

- Sandro Silva - Departamento de Análises e Estatísticas - DIEESE/PR

 

Reunião das Centrais Sindicais

A imagem pode conter: 3 pessoas, incluindo Iara Freire, pessoas sentadas e área interna

O Presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores do Estado do Paraná, Denílson Pestana da Costa, esteve reunido na manhã desta quarta-feira (11) na sede do Ministério Público do Trabalho em Curitiba, com representantes das demais Centrais Sindicais no estado, para tratar de assuntos pertinentes a classe trabalhadora.

 

Plenária Estadual da NCST/PR

A imagem pode conter: 1 pessoa, área interna

Foi realizada nesta quarta-feira (04), a Plenária Estadual da Nova Central Sindical de Trabalhadores do Estado do Paraná. O evento realizado na sede da FETRACONSPAR em Curitiba/PR, contou com a participação do presidente da NCST Nacional, senhor José Calixto Ramos, que na oportunidade compartilhou conhecimentos relacionados às estratégias das entidades para manutenção das atividades sindicais e denunciou a agenda de desmonte de direitos promovida pelo Governo Federal.

A plenária reuniu especialistas, dirigentes da NCST/PR, e deliberou sobre o balanço geral, balancetes, prestação de contas da central paranaense, referente à gestão financeira do exercício de 2018, com parecer do Conselho Fiscal.

A imagem pode conter: 1 pessoa, sentado, tela e área interna

A Consultora Jurídica do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar – DIAP, Zilmara Alencar, também palestrou na Plenária. A advogada realizou análise de conjuntura com foco nas relações sindicais e de trabalho, compartilhando estratégias de intervenção jurídica e política às tentativas de retirada de direitos consagrados no texto constitucional.

O evento serviu como base para traçar caminhos alternativos e eficazes para a continuidade das atividades sindicais, mesmo diante da desestruturação resultante da desidratação financeira das entidades após a aprovação do fim da contribuição compulsória, principal fonte de recursos para o financiamento sindical no país.

 

FILIE-SE

reducao-jornada-ncst2

carteira-assinada-ncst

Quem está online?

Nós temos 801 visitantes online

Acesso Restrito

Rede NCST Sindical

ncst-rede