NOVA CENTRAL SINDICAL
DE TRABALHADORES
DO ESTADO DO PARANÁ

UNICIDADE
DESENVOLVIMENTO
JUSTIÇA SOCIAL

11º Fórum Sindical do BRICS

11º Fórum Sindical do BRICS

Na manhã desta quarta-feira, 13 de julho de 2022, o Diretor de Relações Internacionais da NCST e Presidente da NCST/PR – Denílson Pestana da Costa participou virtualmente da reunião plenária do 11º Fórum Sindical do BRICS com o tema “Aprofundando a Parceria para um Futuro Melhor”.

O Fórum é composto pelas organizações sindicais nacionais da República Federativa do Brasil, da Federação Russa, da República da Índia, da República Popular da China e da República da África do Sul. Durante a presidência da China dos países do BRICS em 2022, a Federação de Sindicatos de Toda a China (ACFTU) sediou o evento.
O Fórum representa a voz dos trabalhadores, fortalece a cooperação entre os círculos trabalhistas dos países envolvidos e tem importância significativa para aprofundar a colaboração entre os mercados emergentes e países em desenvolvimento, bem como promover a recuperação econômica global pós-pandemia e criar um ambiente favorável ao desenvolvimento compartilhado.
Delegação dos trabalhadores do Brasil visita Diretor Geral da OIT

Delegação dos trabalhadores do Brasil visita Diretor Geral da OIT

No início da tarde desta quarta-feira (08/06), Denílson Pestana (Presidente da NCST/PR) juntamente com a delegação dos trabalhadores do Brasil, que participa da 110ª Conferência Internacional do Trabalho em Genebra na Suíça, foi recebido pelo companheiro, GUY RYDER, Diretor Geral da OIT, o encontro ocorreu na sede da Organização Internacional do Trabalho.

Na reunião os representantes dos trabalhadores apresentaram um panorama político e sindical no Brasil, e fizeram um agradecimento pelas ações em favor dos trabalhadores durante a sua gestão na OIT.

 

NCST presente na 110ª Conferência Internacional do Trabalho representada pelo companheiro Denílson Pestana

NCST presente na 110ª Conferência Internacional do Trabalho representada pelo companheiro Denílson Pestana

DENILSON PESTANA, Presidente da NCST/PR e Diretor de Relações Internacionais da NCST, faz parte da comitiva Brasileira.

A Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST) está presente na 110ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (CIT), em Genebra, na figura do seu Secretário de Relações Internacionais, Denilson Pestana.

A Conferência que acontece até sexta-feira (11) em formato híbrido, com os delegados presentes pessoalmente em Genebra, bem como virtualmente, para atender às restrições sanitárias e de viagem da Covid-19, teve sua sessão inaugural no dia 27 de maio.

As comissões iniciaram seus trabalhos no dia 30 de maio. E as sessões plenárias acontecem de hoje até sexta. A Cúpula de alto nível sobre o Mundo do Trabalho será realizada na quinta (10). Entre os itens da agenda estará a possível alteração da Declaração da OIT sobre Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho, de 1998, para incluir condições de trabalho seguras e saudáveis. Será realizada uma discussão inicial sobre aprendizagem, com vistas a possível criação de uma nova norma internacional do trabalho.

Os comitês também discutirão o trabalho decente e a economia social e solidária e o objetivo estratégico do emprego como parte do mecanismo de acompanhamento da Declaração da OIT sobre Justiça Social para uma Globalização Justa .

A Conferência será seguida de uma reunião do Conselho de Administração da OIT, no dia 13 de junho, na qual serão eleitos os dirigentes para o período 2022-2023.

NCST na CIT

“Neste ano conseguimos, junto com a Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), garantir a paridade das Centrais na composição de nossa delegação, com a distribuição igualitária das vagas nas comissões da conferência. A Nova Central ficou com a titularidade da comissão de aprendizagem e a suplência na comissão de emprego”, disse Denilson Pestana.

O secretário internacional da NCST ainda completou: “Na última semana tivemos um avanço importante, que transformou Convenção de Segurança e Saúde no Trabalho, 1981 (Nº 155), quanto à Convenção do Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho, 2006 (Nº 187), que devem ser consideradas convenções fundamentais na acepção da Declaração da OIT sobre Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho”.

Brasil na CIT

O ministro do Trabalho do Brasil, José Carlos Oliveira, fez a defesa da política do governo Bolsonaro ressaltando a redução do desemprego, programa de aprendizagem e a inserção da mulher no mercado de trabalho.

A Delegação de Trabalhadores Brasileiros na CIT continua os trabalhos por hoje em Genebra e amanhã o delegado que falará pelos trabalhadores Brasil, Antonio Fernandes dos Santos, presidente da CSB, irá fazer o discurso aprovado pelos presidentes das Centrais Sindicais.

Com informações: OIT

https://www.ncst.org.br/subpage.php?id=25261_06-06-2022_ncst-presente-na-110-confer-ncia-internacional-do-trabalho#destaques

Ato do 1º de Maio Internacional das Centrais Sindicais

Ato do 1º de Maio Internacional das Centrais Sindicais

Realizado na Praça da Paz em Foz do Iguaçu neste domingo, o ato contou com a participação de entidades sindicais de Foz do Iguaçu, da Região Oeste e Sudoeste, dos sindicatos e federações da Argentina, Brasil e Paraguai, consolidando o que queríamos, um ato representativo e simbólico do Internacionalismo e da solidariedade entre a Classe Trabalhadora dos países da tríplice Fronteira e de toda América latina. Com destaque importante para o grande número de mulheres que representaram as suas entidades no momento de fala.
Pode ser uma imagem de 2 pessoas, pessoas em pé e ao ar livre
Pode ser uma imagem de 11 pessoas, pessoas em pé e ao ar livre
Seminário Internacional dos Trabalhadores

Seminário Internacional dos Trabalhadores

Foi realizado no dia 30/04 em Foz do Iguaçu o Seminário Internacional da classe trabalhadora, o evento debateu a situação dos trabalhadores na Argentina, no Brasil e no Paraguai, bem como as políticas adotadas por seus governantes tais como, a retirada de direitos e o desmonte de seus estados que deveriam ser provedores do bem estar da geração de políticas públicas, programas sociais e de empregos e renda.
.
Pode ser uma imagem de uma ou mais pessoas, pessoas sentadas, pessoas em pé e área interna
Pode ser uma imagem de 15 pessoas e pessoas em pé
Dia Internacional da Mulher

Dia Internacional da Mulher

mulher 2012

No dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho, tais como, redução na carga diária de trabalho para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário), equiparação de salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.

A manifestação foi reprimida com total violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano.

Porém, somente no ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o “Dia Internacional da Mulher”, em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857. Mas somente no ano de 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela ONU (Organização das Nações Unidas).

Ao ser criada esta data, não se pretendia apenas comemorar. Na maioria dos países, realizam-se conferências, debates e reuniões cujo objetivo é discutir o papel da mulher na sociedade atual. O esforço é para tentar diminuir e, quem sabe um dia terminar, com o preconceito e a desvalorização da mulher.

Atualmente a mulher representa 43% da mão de obra no Estado do Paraná, em 10 anos o número de mulheres no mercado formal de trabalho apresentou um avanço de 75% segundo dados do Dieese. Quando se trata da área de atuação, de acordo com dados da Catho online, as mulheres apresentam maior participação em recursos humanos (73%), educação (62%), administrativa e relações públicas (60%). Já as áreas de tecnologia e industrial/engenharia, por sua vez, continuam sendo as áreas com menor índice de atuação feminina, com 16% e 20%, respectivamente.

Mesmo com todos os avanços, elas ainda sofrem, em muitos locais, com salários baixos, violência masculina, jornada excessiva de trabalho e desvantagens na carreira profissional. Muito foi conquistado, mas muito ainda há para ser modificado nesta história.

Por isso, a Nova Central Sindical dos Trabalhadores do Estado do Paraná parabeniza todas as mulheres!