Paulo Rocha critica retrocessos na defesa dos trabalhadores

Da Rádio Senado e Da Redação 

 

Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa ordinária.   Em discurso, à tribuna, senador Paulo Rocha (PT-PA).    Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Jefferson Rudy/Agência Senado
 
O senador Paulo Rocha (PT-PA) denunciou o que chamou de “escravidão moderna”, que associou aos retrocessos gerados pela Reforma Trabalhista (Lei 13.467, de 2017). Segundo o senador, o texto da reforma foi elaborado sem discussão popular e agrava a desigualdade entre negros e brancos. Ele citou as medidas que limitam a definição de trabalho escravo e criticou os artigos da reforma favoráveis à legalização da terceirização.
 

— Esta reforma causou preocupação nas organizações que lutam contra a escravidão moderna, pois, conforme dados do Sindicato dos Auditores Fiscais do Trabalho, 90% dos trabalhadores resgatados de situações análogas à escravidão são terceirizados.

Ao definir o governo federal como ilegítimo e fragilizador dos trabalhadores, Paulo Rocha afirmou que as administrações do PT se notabilizaram pelo combate às formas modernas de escravidão. Ele lembrou que a abolição da escravatura não é comemorada pelos trabalhadores nem pelo movimento negro, como forma de protesto ao tratamento indigno dispensado aos ex-escravos no país.

 

Agência Senado, 16 de maio de 2018.

 

Acesso Restrito

Rede NCST Sindical

ncst-rede