Candidato que não defende trabalhadores não deve ter apoio

Em entrevista ao Portal Vermelho, o secretário-geral da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Canindé Pegado, afirmou que a agenda com 22 propostas elaborada pelas sete centrais sindicais brasileiras é um marco na história do sindicalismo brasileiro aqui . São propostas a curto, médio e longo prazo para combater o desemprego e apontar um caminho para a retomada do desenvolvimento. “Candidato que não apoia a agenda não pode ter o apoio do trabalhador”, completou o dirigente.

Por Railídia Carvalho

reprodução
Canindé Pegado: Executivo, legislativo, judiciário, mídia e empresários se reuniram contra a organização dos trabalhadoresCanindé Pegado: Executivo, legislativo, judiciário, mídia e empresários se reuniram contra a organização dos trabalhadores
A UGT iniciou um trabalho de massificação dos 22 pontos nos mais de 1300 sindicatos que são filiados à central em todo o país aqui . De acordo com Pegado, popularizar a agenda é fundamental neste momento. “Para dialogar com os trabalhadores, com empresários, com políticos, com candidatos à presidência da República, com o Congresso Nacional. É preciso fazer saber que os trabalhadores tem propostas e vamos lutar por elas”.

Pegado disse que nunca viu durante a história dele de 30 anos no sindicalismo uma conjuntura de ataque aos direitos dos trabalhadores e dos sindicatos como a atual, resultante do golpe que levou o governo Michel Temer à presidência da República. 

“Desde 2016 houve muita unidade entre os poderes e forças contrárias à organização dos trabalhadores que em um período muito curto fez com que os trabalhadores experimentassem um dos piores ataques da sua história. Um ataque elaborado e com a atuação do Executivo, Legislativo e Judiciário aliados à imprensa e aos empresários”, analisou o dirigente.

Centrais Sindicais unificadas

Na opinião de Pegado, a unidade das centrais “é mais que fundamental neste momento”. Ele contou que o empresariado que apoiou a reforma trabalhista e a terceirização não vai parar enquanto o movimento sindical não for destruído. “Ao contrário deles, a nossa Agenda é democrática, queremos dialogar buscando saídas para a crise que penalizou o trabalhador brasileiro. Por isso o dia 10 de agosto é um ato importante, com todas as centrais, para ser a referência para mobilizações que tenham impacto para reverter o atual cenário”.

O Dia do Basta em 10 de agosto foi convocado por todas as centrais sindicais brasileiras com as bandeiras do combate ao desemprego, contra o aumento abusivo do gás de cozinha e em defesa da Previdência Social, que volta a ser alvo do governo de Michel Temer. Estão sendo construídas paralisações em todos os estados e um ato nacional na avenida Paulista em frente à Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), às 10h.

“Queremos o bem-estar para a população. Por isso elaboramos esse documento. Basta ter vontade política para implementar o que está na Agenda. Por isso é preciso massificar entre os candidatos à presidência ou qualquer outro candidato com condições de se eleger e incorporar essa agenda voltada para a retomada do emprego no país e do crescimento econômico. O candidato não precisa ir além está tudo apontado no documento”, enfatizou o sindicalista.
 


Do Portal Vermelho, 20 de julho de 2018.

 

Acesso Restrito

Rede NCST Sindical

ncst-rede